2 Comentários

  1. Meu caro, excelente texto! De fato, o crédito está mais para arte do que para ciência. E, de fato, é maior o número de bancos que quebraram do que o número daqueles que sobreviveram. E mesmo aqueles que aparentemente sobreviveram já quebraram, mas foram comprados por outro e mantiveram o nome. O Citibank é um exemplo: já quebrou umas 3 vezes nos EUA, mas continua por aí. Aqui no Brasil, vários bancos quebraram com o fim da inflação, e foram saneados com o seu, o meu, o nosso, no PROER. Enfim, aquela história que o melhor negócio do mundo é um banco bem gerenciado, e o segundo melhor é um banco mal gerenciado serve só como piada. Resta-nos a nós, correntistas e investidores em CDB, ficar atentos e não cair no conto de que “banco nunca quebra”.
    Abraço!

  2. Senhor Humberto Viegas!
    Seus textos e argumentos são muito bem fundamentados e de agregação de seus leitores ao conhecimento completo das instituições financeiras.

    Parabéns!

    Abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

8 + 1 =